quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Além do Oceano...


Chegar ao final da adolescência se olhar no espelho e sorrir satisfeita, toda menina sonha com isso, passar por toda turbulência, amores feitos e desfeitos, corações partidos, noites em claro a espera de uma resposta...
Enfim tudo isso tinha passado pra mim, enfim eu havia me tornado uma mulher, e o melhor , encontrado o meu príncipe encantado, o garoto mais lindo que eu já havia visto, e ele era meu, todo meu, somente meu, nada poderia ser melhor, me mostrou um mundo que eu não conhecia, em um piscar de olhos eu tinha sogro, sogra, cunhados, muitos primos e tios, e eu tinha avós, ninguém imagina o que isso significava pra mim.
Festas, baladas, amigos, rock and roll, ele me deu o mundo, e logo eu que nem sabia o que era dormir fora de casa, seguir alguém que não fosse meus pais era de outro mundo pra mim.
Minha primeira desobediência, minha primeira loucura, meu primeiro amor, sim era o primeiro, por que até então tudo era bobagem, era se como tudo tivesse sido um ensaio para o dia que enfim minha vida começaria.
Futebol nas sextas à noite, churras no domingo, nada poderia ser melhor. Errado. Poderia sim, casa, móveis novos, endereço novo, cama de casal, churrasqueira, chimarrão de manhã, um cachorro. Fredie era seu nome. Deu era isso, já ta bom pra uma pessoa só. Não.
Um bebê. A criança mais amada e planejada do mundo, nosso sonho. Enfim... Felizes.
Mas nem tudo na vida é perfeito, hoje eu saberia lidar com isso, mas na época, as coisas fugiram do controle, não houve culpados, cada um tinha um sonho e uma razão, tudo que agente viveu não foi o suficiente pra lutarmos, e acabou.
Quando um relacionamento acaba, o homem procura os amigos, logo arranja o que fazer, quer viver tudo que não viveu naquele tempo em que esteve preso, quer mostrar que não perdeu nada, quer seguir a vida e recuperar o tempo perdido, mas a mulher não, ela tem que aprender a se virar sozinha, tem que aprender a fazer o serviço de homem na casa, tem que trabalhar dobrado pra não deixar faltar nada, tem que conviver com a dúvida , será que a culpa foi minha?
Nessa história eu a fofinha bonitinha me transformei (longo processo de 2 anos) em uma obesa mórbida de 150 kilos, deformei meu corpo, meu rosto, minha alma, joguei minha estima no lixo, me afundei em uma depressão tão profunda que eu não enxergava a luz, muitas coisas ruins acontecendo, era uma sucessão de derrotas e aborrecimentos, eu não via saída, já não tinha fé para mudar, já não olhava nem para o alto.
Perdida.. Perdida mas não sozinha, eu tinha minha bebezinha, e não podia me entregar ao abismo, eu queria viver, algo me fazia querer lutar, a vida é tão preciosa, eu só não sabia como sair daquela situação.
Todos os dias eu sentava na frente do computador, com um pacote de balas, navegava na internet, olhava meu orkut...mas nada me animava, passei a odiar Chats, porque todo mundo só queria saber de imagem, foto, e como eu me mostraria pra alguém? Impossível.
Um dia um carinha com nome estranho visitou meu orkut, fui lá e visitei também, dia seguinte ele visitou novamente, e eu... também.
Até que ele me adicionou no orkut, fui conferir e vi que ele era da Índia, oh a Índia dos meus ancestrais...
Mas o que eu sabia da Índia? E desde quando eu liguei pra ter origem Indiana?
Tinha era medo, vá que fosse um terrorista, perfil sem foto, inglês tosco, bom, mas eu aceitei, e enfim ele mandou um scrap, o primeiro... Hi dear, good morning!
Eu pensei comigo, mas é burrinho, que good morning? São onze da noite!
Eu não tinha me ligado na diferença de horário, mas respondi, good morning for you too dear. Com louco não se discute né, se ele queria que fosse de manhã... que fosse.
Outras noites vieram, acabei descobrindo a diferença de horário, hehe
Nossa conversa se resumia em um bom dia na primeira semana, e a um I miss you na segunda...
Um dia ele pediu pra conversar on-line, e eu burrinha apanhei para o Chat, nunca tinha usado gtalk, conversamos, alias tentamos, porque o inglês dele era muito estranho, meu vocabulário não era tão extenso, inglês nunca me chamou atenção, mas o pouco que eu falava era gramaticalmente correto, nem tradutor não dava pra usar por que o moço tinha uma linguagem própria, muitas vezes eu tinha que adivinhar o que ele falava.
Mas a dificuldade na língua não nos deteve e em poucos meses estávamos muito ligados, passei natal e final de ano com ele, na frente do computador, foi tão diferente, tão divertido, ele fazia planos e mais planos, falava em casamento, em filhos, ele sonhava em morar no Brasil, eu estava encantada com ele, não era amor, mas até então ninguém havia me tratado tão bem.
No verão fui pra praia com a família, mas não conseguia tira lo da cabeça, dei um jeito de voltar pra casa mais cedo, só pra teclar com ele, com aquele garoto que eu só conhecia por uma foto, única foto.Ele não era o cara mais lindo do mundo, não tinha o jeitinho que eu gosto, mas era bonito, moreno, corpão, mas sem dúvida o que eu gostava nele era o jeito de se impor, ele parecia a ultima bolachinha do pacote, ele tinha um ar superior que beirava a arrogância, como se todos perto dele fossem simples mortais, eu gostava disso, mas tinha medo, não gosto desse tipo de pessoa que se sente melhor que os outros.
Por mais que eu gostasse dele algo me incomodava demais, ele não podia ver uma mulher, ele tinha muitas amigas no orkut, ele não tinha um pingo de vergonha de exibir seu harém, quando eu reclamada ele dizia pra mim não me comparar a simples garotas que ele conversava só por conversar, ele tinha um papo machista que eu era diferente, que ele queria me preservar, que eu seria a esposa dele, mas que como homem ele precisava conversar com “bad girls” também.
Demorou a cair minha ficha, eu vivo dizendo, sou burrinha feito uma porta , mas um dia eu percebi que o moço estava dando uma de esperto comigo, eu era a boa menina que mal entrava na NET, e ele colecionava mulheres no orkut, definitivamente nada haver comigo.
Há essas alturas eu já tinha vários amigos indianos, já tinha até arriscado uma ou duas ligações para parentes na Índia, tentando encurtar os laços... (isso já é outra história)
Bom larguei o moço de mão e fiquei só com alguns amigos indianos, até que um dia olhando perfis eu dei de cara com o mais lindo anjo, lindo como jamais eu poderia descrever, só de tentar eu pecaria, um rosto perfeito, um olhar perfeito, um flash de todas as minhas vidas passou em frente dos meus olhos, sabe quando agente sai de viajem e depois de muito tempo volta pra casa? Foi a sensação que eu tive quando vi a foto do perfil do orkut dele, enfim eu estava em casa, tudo que eu busquei estava ali diante dos meus olhos, eu podia até sentir seu cheiro, como eu todas as outras vidas que estivemos juntos, agora sim, eu estava completa.
Voltando a realidade... Enviei um pedido de amizade e esperei...
Lá pela meia noite subiu a janelinha do gtalk.
Hi dear!
Oh meu Deus era ele!
Trocamos meia dúzia de palavras, tão doce, tão amável, perguntou se eu queria ser sua amiga para sempre, eu disse sim, friends, forever.
Não pediu foto, não perguntou peso, não tentou falar sobre sexo, não disse que me amava.
Estava tudo acontecendo como em um conto de fadas, nos despedimos ele foi pra aula e eu fui dormir, mas como em todo conto de fadas...
Acordei com ele me chamando pra conversar, pulei da cama rápido...
Mas notei que o assunto não era o mesmo, ele falava muita bobagem, falava me casamento, muito estranho... Felizmente eu descobri a tempo, não era o meu Príncipe que estava teclando, era um amigo dele, foi aí que eu descobri que não existe privacidade na Índia, então começou a batalha pra me livrar dos amigos chatos, sempre tinha um engraçadinho querendo falar comigo e se fazendo passar por ele, meu orkut virou passarela de Indianos, todos os colegas dele queriam a mesma garota, eu muito pateta na época aceitava todos no orkut, me sentia a tal, depois de um tempo eu descobri que era só um bando de garoto bobo tentando me fazer de mais boba ainda, sei la, deve existir uma brincadeira de tirar a namorada do amigo.
Começamos a usar senha para conversarmos, que tempinho chato aquele, éramos só amigos, mas brigávamos dia e noite, ele era tão bobo, tão inseguro, infantil, me acusava, me magoava com tanta desconfiança, mas agente sempre ficava de bem, amigos para sempre!
Nossas brigas marcaram, sempre todas por ciúmes e insegurança, já estávamos envolvidos, pra ele já era namoro, mas eu nem sabia, tudo era novo pra mim, eu estava amando, estava boba por alguém, mas não podia esquecer , tudo era só um sonho, eu tinha 150 kilos, eu era só uma gorda apaixonada pelo Homem mais lindo do mundo.
Um dia começamos a dizer te amo, o que mais me chamou a atenção foi o senso de responsabilidade dele, diferente de outros indianos que eu conheci, ele não saiu jogando palavras ao vento, ele construiu uma base sólida no nosso relacionamento, ele conquistou minha confiança, ele tampouco despejou a vida dele e nem eu perguntava muito, tudo acontecia no tempo certo pra nós.
Já estávamos dizendo eu te amo a um tempo, quando ele perguntou “as friend?”
Eu disse talvez, então ele perguntou se eu o amava, e eu disse sim.
Tínhamos essas coisinhas bobas de apaixonados... se eu dizia que amava ele perguntava How much?
E eu respondia " more than myself "Hehe, meu coração fica bobo só de lembrar.
Nós vivemos tantas coisas juntos, e eu que não acreditava em amores a distância, eu sempre disse que o ser humano engana e ilude quem esta na frente dele, quanto mais quem esta tão longe, mas eu confesso que quando o sentimento é verdadeiro, quando a pessoa que esta com você esta realmente com você, não importa se ela esta ao seu lado ou do outro lado do oceano, mas você vai senti la vai compreende la.
Eu sinto como se só ele tenha me visto, me percebido, ele não precisa nem olhar nos meus olhos pra saber quando estou triste, nós estamos na mesma sintonia.
Sabe quando eu percebi que não era só uma brincadeira?
Um dia após muitos meses, ele bateu o pé pra ver minha foto, imagina a situação dele, ele entregou o coração pra uma garota sem nunca ter visto, todos os amigos riam dele,
Eu fiquei desesperada, eu não podia mostrar uma foto, eu era uma baleia!
Então eu fiz a besteira de procurar uma foto na NET, eu estava desesperada, depois de muito trabalho achei quem seria eu, e mandei as fotos.
Pra minha surpresa, ele não era tão bobo com eu imaginava, ele sabia que era mentira, e logo eu que odiava mentiras!
Nós brigamos, ele disse tantas coisas, disse que eu menti, iludi, disse que eu enganei ele, que eu não o amava, que eu nem sabia o que era o amor, ele me deixou tão mal, me deletou do orkut, escreveu no orkut que eu acabei com a vida dele, foi horrível.
Mas no final do dia ele me procurou, pra saber porque eu o magoei, e eu contei a verdade, contei que eu o amava e que não queria perde lo, contei que era apenas uma gorda, sem nada pra oferecer pra ele, ele ficou em silêncio um tempinho, e me chamou de estúpida, disse que como poderia passar na minha cabeça que ele fosse me amar menos só por causa disso.
Daquele dia em diante ele nunca ais pediu fotos ou web cam, até o dia que eu resolvi abrir e me mostrar.
Eu redescobri a vontade de viver, foi naquele momento que eu decidi mudar, fazer uma dieta, procurar ajuda, eu vi que alguém tinha enfim me enxergado, tinha quebrado o feitiço, enfim eu voltei a ser uma princesa, não porque eu emagreci, porque o processo foi lento e doloroso, e essa briga com a balança parece não ter fim, mas eu me tornei uma princesa porque o amor dele me fez bonita, e esse amor me faz querer ser melhor todos os dias, uma pessoa melhor.
Parece meio clichê, frase de Rose em Titanic, mas “ ele me salvou de todas as formas que uma pessoa pode ser salva”


Acompanhem os próximos capítulos.

Helena Leen.

5 comentários:

FTCeira disse...

Nossa.. não costumo comentar muito em blogs, mas fiquei com os olhos cheios d'água lendo esse post!!!

Linda a sua história... em partes, lembra um pouco a minha!!!

Me emocionou!!
:o)

Poonam Pratap disse...

Por favor...vc vai falar comigo?

Poonam Pratap disse...

Helena...vc acredita que um dia vcs vão ficar juntos? Quero tanto conversar com vc...por favor me reponda.

Nil disse...

Oi, eu li sua história porque tenho procurado informações sobre a índia e encontrei seu blo e outros. Fiquei surpresa em ver que há muitos indianos buscando relacionamento com brasileiras. Eu estou nessa situação, e não tem sido tranquilo pra mim, que já sofri tbm mts decepções amorosas. Ele é gentil e atencioso, um companheiro que eu sonhei, mas está do outro lado do mundo. Mas eu gostaria que vc me enviasse um email para conversarmos sobre isso. Eu fiquei cismada com sua primeira história e confesso que tenho medo de estar caindo numa cilada. Grande abraço!

Luizinho Lisboa disse...

Linda sua história, parece ficção...