segunda-feira, 1 de maio de 2017

Recomeços

Ah se eu um dia eu acordasse desse sonho e minha mãe estivesse na cozinha tomando café com meu pai, novamente, vivos, cheios de saúde. Minha mãe comendo pão caseiro com nata, meu pai como de costume comendo alguma sobra da janta logo pela manhã e meus gatos ao redor pulando e ganhando provinhas das guloseimas enquanto meus cachorros comportados simplesmente esperavam na certeza que ganhariam sem precisar pedir. Eu juro que eu não reclamaria de ter que estudar, e não arranjaria tantos problemas, daria mais valor, seria não só a melhor aluna, mas também seria normal, aceitaria as regras, não seria uma rebelde sem causa como sempre fui, também não gastaria dinheiro como se desse em árvores. Eu seria uma pessoa mais centrada, eu nem reclamaria do despertador nas manhãs de domingo para ir à igreja, e eu não afastaria os amigos de mim como sempre fiz, na maioria das vezes por motivos bobos.
 Eu faria tudo diferente, eu aprenderia a tocar guitarra para ter mais assunto com "aquela pessoa" e aprenderia a lavar os talheres para que não haver brigas, eu com certeza teria arranjado um emprego de verdade e feito uma carreira, sem esperar tanto dos outros.
Não perderia tempo no telefone, não teria ficado anos na internet e principalmente não teria me entupido de comida para simplesmente chocar o mundo.
Eu teria feito tudo diferente, me meteria menos na vida das pessoas, reclamaria menos das coisas que eu não tenho e cuidaria das coisas que tenho comigo, eu seria uma filha melhor, uma namorada melhor, uma esposa melhor, e consequentemente eu seria uma mãe melhor, sem o peso que as dores nos trazem, eu teria dado irmãos para minha princesa logo nos seus primeiros anos, assim ela cresceria mais feliz, talvez com menos brinquedos, mas quem liga para brinquedos quando se tem irmãos? coisa que eu nunca tive, nem sei como é, e quando o coração me deu um irmão, ou a coisa mais próxima disso, a vida e as escolhas, os gostos sei lá o que nos afastou, assim como de outras pessoas que saíram da minha vida. Bom não posso me queixar, falei que não me queixaria, porque assim como muitos saíram da minha vida, outros tantos chegaram, a vida é assim, já me conformei.
Só sinto por saber que nada foi um sonho, e todos os dias que eu acordo, minha mãe e meu pai não estão na cozinha, e tanta gente que já fez parte da minha vida não está mais nela, separados pela morte ou até mesmo pela vida.

Hoje minhas opções para ser feliz são apenas duas, desistir e sair de cena, ou improvisar e fazer meu final feliz, aliás, não acredito em finais, mas acredito em recomeços.




Um comentário:

ROSANGELA RODRIGUES disse...

Nossaaaa preciso compartilhar isso! Parabéns ótima escrita.